Procurar na Bubok

Carlos António de Oliveira Cebolo

Poemas que retratam o que aconteceu em Angola, durante a guerra civil e a maneira como milhares de angolanos com nacionalidade portuguesa foram tratados pelos movimentos existentes em Angola e pelo governo português de então, que motivou a fuga a qualquer preço de toda aquela população, branca, mestiça e negra, de Angola, procurando por qualquer meios, chegar a Portugal, abandonando por completo, tudo que ao longo de décadas foi construído com sacrifícios de muitas vidas perdidas.

Estes poemas mostram também a grande Nostalgia sentida pelo povo e o grande amor que tinham e continuam a ter não só pela terra, mas também pela sua gente.

 

“Gosto de Angola e ponto final.

Gosto de Angola que conheci,

                                               Gosto de Luanda a capital!

                                               Gosto da terra onde nasci.”

 

“No meu sangue trago Angola infiltrada;

 E tudo o que penso, ou deixo de pensar,

     Leva-me a lembrança para a terra amada.”

 

                                               “África tem cheiro doce,

                                                 Cheira a terra molhada e a mar,

                                                 Terra vermelha, como se sangue fosse,

                                                 Aturdindo o meu pensar.

                                                 Cheiro sentido com emoção,

                                                 Tão forte que nos faz chorar,

                                                 È cheiro que afaga o coração,

                                                 Só por nele poder pensar.

                                                 Quem nunca sentiu o cheiro de África,

                                                 Quem nunca amou, apenas por amar,

                                                 Não sabe se vai ou se fica,

                                                 Não sabe ao que cheirar.”