Procurar na Bubok

Bem-vindo ao seu espaço!



Na Bubok queremos que você se expresse, este lugar é dedicado a si; escritor, leitor… para partilhar com os demais algo que está a pensar; um poema, um artigo que gostou, uma opinião, um parágrafo do seu livro favorito… sempre relacionado com a literatura, com os livros e com a cultura.
Já está registado? Inicie a sessão para usar o mural
  • Mario de Souza
    Mario de Souza
    28 de Julho de 2020 às 20:43
    A água e o vento carrega a sensibilidade poetica em sua paginas, transcrita em versos profundos.
    A água e o vento carrega a sensibilidade poetica em sua paginas, transcrita em versos profundos.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Jacinto L Simões
    Jacinto L Simões
    21 de Dezembro de 2019 às 14:51
    Uma manhã do começo do resto da minha vida   Numa manhã no começo do Outono, acordava Filipe com um safanão de mamãe lembrando-lhe que era preciso levantar para ir a escola. Que estremeção... que tristeza… aquilo era mesmo verdade. A realidade embicava para a execução há tanto tempo apregoada.., não queria acreditar.. Socorro!.. Mas nada poderia fazer... Ficou terrivelmente assustado… Vêm daí os primeiros traumatismos, a vida haveria de lhe pregar outros. Bateu forte no seu eu aquela manhã ainda ensonado. Foi aí que ele experimentou a sensação de que lhe estava destinada uma existência difícil. Desceu sobre ele uma grande angústia... e, juntando já algumas peças de um puzzle bastante complicado que há muito observava, começou, digamos, a pressentir de que aquela família não era como as demais... Até ali, seis aninhos e meio, já tinha na sua memória algumas marcas de acontecimentos com episódios tocantes, esporádicos, mas demasiado violentos que rasgavam sua integridade psíquica. Eram as mulheres da sua vida, a quem ele se refugiava que nesse momento estavam abanando sua imaginação com aquela cena chocante e incompreensível, na velha casa, de preto vestidas, sentadas e chorosas no canto da sala, e a pequenita irmã amortalhada dentro de uma caixa branca, pousada sobre a mesa do centro, rodeada de algumas lamparinas acesas. Nada entendia e por mais que pedisse explicações, ingenuamente, elas eram abafadas por um, pshiu! - Por quê minha maninha está naquela caixa? Já não brinca mais comigo?.. - Talvez fosse uma daquelas coisas dos adultos que criança não entende -, ou... talvez houvesse receio que ele entendesse, a morte era coisa ruim, era para esconder de criança… Sofrimento, muito, já ele via nos seus rostos… Agora, já ultrapassada aquela fase, e no momento angustiante como esse, já entendia mais alguma coisa, quase tudo, aquilo era e seria consigo, deveria ser forte, tinha de ser homem, diziam. Deveria tomar muita atenção aos próximos capítulos da sua vida… que mais iria acontecer..? Mamãe se afanava de um lado para o outro para lhe aprontar uma roupinha um pouco melhor, diferente da do dia a dia, com cheirinho a lavado, a sabão azul, a professora estaria atenta a como as mães mandavam seus filhos para a escola. Que bonito… até parecia rico; calção esverdeado, camisa azulada, que pareciam até novos.., - dádiva de gente com mais posses... - ... Encaminhou-o até a varanda e, agarrando-o pelo pescoço, dobrou-o sobre uma bacia de esmalte cheia de água e vigorosamente lavou-lhe a cabeça, cara, pescoço, pernas e pés... Depois, penteou-o à maneira; risco do lado esquerdo, tinha de ser, bem pronunciado, como mandavam as regras de cabra-macho, lado direito era para meninas; ajeitou-lhe a mala nas costas e puxou-o até a rua onde deveriam esperar, a qualquer momento, a aparição da Elvira; a futura colega, uma menina pré-acordada, seria a sua guardiã, e que viria do outro lado do vale, onde habitava, e que o acompanharia no seu primeiro dia de escola… Estava deveras difícil, a barriga tremia com tanta angústia, a jornada tinha começado mal. Há já muito tempo que vivia atormentado. Ainda chegou a acreditar no milagre de Jesus Cristo poder fazer alguma coisa por ele, tanto que lhe tinha pedido para não deixar acontecer... Tremia de ansiedade, doía-lhe o peito com tanta incerteza no seu futuro…Saltavam-lhe as lágrimas, estava dolorosamente consciente de que ninguém viria em seu auxílio, nem mesmo Jesus em quem tanta esperança depositou... Tinha medo, muito medo… Ali a seu lado marcava presença a dona do seu querer, do seu destino e ele parecia estar já traçado… Enfrentaria uma professora que se dizia ser o terror das crianças e adolescentes, com punições severas ao menor deslize e onde não haveria lugar a apelação dos seus sumários julgamentos… Mamãe parecia também nervosa, mas orgulhosamente excitada com sua ação, -- também ela tinha passado pelo mesmo – , era o dever de mulher de vergonha, na ausência de marido, tomar em mãos as rédeas da vida e educação dos filhos. Mas era também imperioso mostrar para todo mundo que ali havia princípios e juntava-lhe uma pitada de convicção, que só no cabresto se poderia construir um bom ser humano, um macho… Ao fim de longos minutos, lá aparecia Elvira que se esforçava por levar de vencida a íngreme subida do velho caminho que dava a sua casa. Era uma mocinha já na adolescência, alta, esguia, decidida, de rosto longo e tisnado, olhar aguçado e, aproveitamento escolar muito tremido: repetia o terceiro ano há já dois anos. Após algumas palavras efusivas de circunstância, acompanhadas de umas palmadas nas costas, sentiu-se um pouco mais alentado... Rapidamente mamãe se apressou a ditar suas ordens veementes, para ele e ela, e em seguida partiam para a escola que ficava ainda, pelo menos, mais meia hora de distância de sobe e desce, a andar bem… Ele queria saber muita coisa, como era lá, se era verdade tudo o que diziam... ela ria de soslaio do seu ar assustado e acalmava-o de tantos receios... – Não tenhas medo, estarei sempre junto de ti, alguma coisa, me chamas, dizia. – Mas a professora bate? Insistia ele. Ela sorria, então, com ar misericordioso e de compreensão, e com a calma de quem já passou por muito, estampada naquele longo e tisnado rosto amarelento, seco e manchado, marcas bem visíveis da rudeza da sua existência, respondendo e medindo bem cada palavra, ao mesmo tempo que lhe rodeava os ombros com suas longas e finas mãos, respondia, – eh! é verdade! às vezes!.. mas só às vezes!.. – mas, mas, as palavras pareciam faltar-lhe, ela... bate mesmo!? Reformulava ele a pergunta com a voz já embargada e mais desalentado ainda... – é… mas, isso, não é a todos!.. Complementava ela. Aí falava a verdade. Não era realmente a todos, mas ele não faria parte dessas exceções. As estaladas, puxões de orelhas e reguadas que violentamente distribua, eram só para aqueles que não se lhe poderiam opôr, ou trazer-lhe problemas, que eram quase todos: os pobres, os que não tinham poder, nem ninguém que os defendessem, os de pouca renda, ou nenhuma... e miseravelmente, os que até ostensivamente lhe pediam que o fizesse… Com os filhos de gente com um pouquinho mais de poder, que eram pouquíssimos, a cantiga já era outra; a tolerância, afabilidade e compreensão para as crianças, eram seu forte… Ainda no caminho, mas a avistar já de longe um magote de criançada no terreiro da escola e uma algazarra bem distinta daquela a que ele estava acostumado, só havia três crianças no lugar onde habitava. Foram-se aproximando e quando chegaram já a professora estava no centro do grupo dando suas orientações e perguntando os nomes. Havia no ar um cheiro a lavado, o tal sabão azul, vindo das batas brancas que todos obrigatoriamente vestiam, sinônimo de higiene desses tempos e, os sapatos que poucos tinham, sinônimo da diferença… A professora encaminhou-se para dentro da sala de aula e o rancho seguiu-a como cabritinhos saltitando ao seu redor, alguns até pareciam alegres, mas outros nem por isso, muitos apreensivos, mas, ainda assim, havia expectativa: talvez ela tivesse mudado nas férias, acontecido um milagre, tivesse até perdoado ou esquecido as diabruras que lhe tinham feito no ano anterior. Ele lá seguia no cortejo com seus dilemas, era novo ali, e por isso sempre desconfiado. Elvira estava por ali embrenhada na conversa com suas amigas que já não via desde o fim do ano letivo, – os lugares donde vinham eram bastante diversos e distantes, as crianças só se voltavam a ver quando se encontravam de novo na escola, – agora tinha as mesmas amigas e mais as novas colegas que a tinham apanhado no ano letivo, eram bastantes, um grupo bem numeroso… D. Conceição dava aulas ali, há já muitos anos... Era uma jovem charmosa com mais de uma trintena de anos, bela, elegante, por vezes exuberante, de unhas e cabelo sempre bem cuidados, vestidos bonitos e bem diferentes dos que era dado ver por ali. Dada a boas falas, que, dizia-se até, namorava um capitão do exército destacado lá na Índia: homem de valentia, um guerreiro, que tinha já mostrado nas Forças Armadas grandes qualidades no comando dos seus guerrilheiros, contra tropas indianas lá na terra descoberta por Vasco da Gama, e onde os indianos agora tentavam a reconquista: Goa, Damão e Diu. O povo no seu melhor, com a sua valente imaginação bélica ao rubro, fazia circular por ali o bom nome de um suposto herói que seria sempre a sombra do protetor desconhecido daquela bela e cobiçada donzela... Era ternurenta e emocionante a narrativa... Mas seria assim? Se perguntavam alguns mais céticos. Bem, não interessava muito, a aproximação a ela era uma realidade e assim também um privilégio, deixando a comunidade muito orgulhosa... Ela não contradizia e nem se opunha a tais boatos, que aqui ou ali deixavam transparecer alguma ingenuidade de quem os produzia. Antes pelo contrário, aproveitava a deixar mais algumas dúvidas no ar, que a criançada alcançava e reproduzia enfaticamente, porque isso lhe dava alguma segurança e muito estatuto, em relação as chefias e algum eventual predador, e também algum poder, um capitão do exército, naquele tempo, assustava mesmo… Embora alguma coisa da sua vida transpirasse, só aquilo que contribuísse para o seu enaltecimento como figura pública, parecia ser deixado ao acaso na boca da moça que fazia a faxina da casa onde morava e da escola. Muito pouco se sabia de concreto da sua vida, a aldeia donde vinha era muito distante e não havia boas comunicações. Só ia a casa de tempos a tempos, os transportes eram raros e difíceis as ligações, habitando sozinha uma minúscula casa doada por um benfeitor à escola e, era considerada por toda a gente o melhor que tinha a aldeia, a pessoa mais bela, com mais conhecimento e educação... Para provar-lhe a admiração e consideração, as mães iam à sua presença agradecer, louvando-lhe a paciência, oferecendo-lhe alguma hortícola, ovos frescos, frangos e fruta e implorar que espancasse os filhos, “quando precisarem não hesite, D. Conceição, dê-lhes pra baixo”. Era assim a dona do destino da maior parte deles, ou aprendiam ou eram massacrados na escola e, depois em casa, porque após a escola começavam outras tarefas e algumas bem mais difíceis… Naquela manhã de apresentação, esteve toda ela com o coração apertado, olhava eles e elas, alguns e algumas já com treze, catorze anos e mais, homens e mulheres feitos, muito atrasados no rendimento escolar, e que jamais chegariam a assimilar aquilo que a professora tentaria fazer passar. Estavam todos juntos na mesma classe, meninos e meninas; eram quatro longas filas do primeiro ao quarto ano, com uma grande confusão entre as matérias e muitas dúvidas a mistura.... O medo apoderou-se ainda mais na pausa, ao meio da manhã, observando como aquilo era violento entre os mais velhos. Amigos não tinha para o defender caso precisasse, só mesmo a Elvira, que duvidava, apesar de lhe parecer uma durona… Na pausa do almoço, em que comeram sentados sobre as pedras mó de um despencado lagar de azeite, o pão com ovo frito que trouxeram de casa numa sacola, deu então, para uma observação mais cuidada sobre os mais calmeirões que numa moldura humana, ao redor de um círculo traçado na poeira do chão, se enfrentavam num renhido e violento jogo do pião, enquanto ao lado, de mãos dadas, candidamente, elas rodavam cantando um alegre e displicente, fui ao jardim da celeste, giroflé, giroflá.... o que fostes lá fazer, giroflé, flé, flá… O regresso a casa desse dia tão denso, foi com uma sensação estranha, assim como, se de repente tivesse crescido imenso, já estivesse calejado da vida, mas, estava aliviado, tinha entrado numa família, seria até capaz de enfrentar aquela situaçãozinha sozinho, se preciso fosse, admitia já num breve e desvairado devaneio otimista... não, não, sobressaltado de terror, olhando de repente para o lado..... Que alívio.., Ela estava ali, a protetora, a Elvira continuava caminhando, calma, batendo com os pés nus na poeira do caminho, e Filipe pediria muito a Deus que a mantivesse por ali…
    0 Gosto 0 Comentários
  • Jacinto L Simões
    Jacinto L Simões
    21 de Dezembro de 2019 às 14:44
  • Jacira Félix
    Jacira Félix
    5 de Novembro de 2019 às 8:28
  • Eduardo Lopes
    Eduardo Lopes
    9 de Setembro de 2019 às 16:56
    Os apreciadores de história de desportos (nomeadamente de Ciclismo e Karate-Do), têm ao dispor na Bubok, de uma página de diversos livros da autoria de Eduardo Cunha Lopes e não só, sobre as duas temáticas referidas...
    Os apreciadores de história de desportos (nomeadamente de Ciclismo e Karate-Do), têm ao dispor na Bubok, de uma página de diversos livros da autoria de Eduardo Cunha Lopes e não só, sobre as duas temáticas referidas... Ciclismo e Ciclistas (Memórias de um veterano)
    0 Gosto 0 Comentários
  • Elane Ferreira de Souza
    Elane Ferreira de Souza
    7 de Maio de 2019 às 1:11
    Esta é a capa do nosso e-Book Depredadores Emocionais - 3 histórias verídicas de mulheres sugadas por esses vampiros, depredadores. O tempo é um apanhado de Psicologia e Direito da mulher Brasileira (pois falamos também da Lei Maria da Penha).
A autora
    Esta é a capa do nosso e-Book Depredadores Emocionais - 3 histórias verídicas de mulheres sugadas por esses vampiros, depredadores. O tempo é um apanhado de Psicologia e Direito da mulher Brasileira (pois falamos também da Lei Maria da Penha). A autora
    1 Gosto 0 Comentários
  • Elane Ferreira de Souza
    Elane Ferreira de Souza
    7 de Maio de 2019 às 1:06
    Esta é a publicidade e um pouco sobre Depredadores Emocionais - Vampiros, tóxicos narcisistas. Não tem nada a ver com homem ou mulher - depredador, vampiro, pode ser qualquer um e eles geralmente conseguem "esvaziar a gente"; nos suga de tal forma que não mais conseguimos nos reconhecer - perdemos essência; perdemos alma! A autora!
    1 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 22:02
    Quando o destino nos escolhe para vivermos uma história de conquistas e vitórias nada nem ninguém poderá nos impedir de cumprir determinada missão em nossa existência:
    Quando o destino nos escolhe para vivermos uma história de conquistas e vitórias nada nem ninguém poderá nos impedir de cumprir determinada missão em nossa existência: "Breve Recordação nos relata a trajetória de um menino que mesmo pobre sonha em um dia pertencer a elite social de seu tempo, e de fato ele consegue alcançar o ponto mais alto de suas ambições, porém a custo de um alto preço a ser pago com a perda de um grande amor e terminará seus dias em completa solidão.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 21:58
    SOPHIA é a história de uma mulher que desde cedo teve que aprender a conviver com a miséria e a violência, resultado de uma família desajustada. Onde o pai por ser alcoólatra, a mãe uma prostituta e seus irmãos criminosos, morrem cedo, deixando-a órfã. Aos treze anos é violentada por um delinquente e, depois de adulta, decepcionada com os homens procura ser feliz com outra mulher, mas sofre profundamente no amor. Encontra a felicidade por um tempo ao lado de alguém que mais tarde perde num trágico acidente. Seus últimos dias foram na companhia de uma amiga igualmente sofrida, com quem finalmente encontra paz e descanso.
    SOPHIA é a história de uma mulher que desde cedo teve que aprender a conviver com a miséria e a violência, resultado de uma família desajustada. Onde o pai por ser alcoólatra, a mãe uma prostituta e seus irmãos criminosos, morrem cedo, deixando-a órfã. Aos treze anos é violentada por um delinquente e, depois de adulta, decepcionada com os homens procura ser feliz com outra mulher, mas sofre profundamente no amor. Encontra a felicidade por um tempo ao lado de alguém que mais tarde perde num trágico acidente. Seus últimos dias foram na companhia de uma amiga igualmente sofrida, com quem finalmente encontra paz e descanso.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 21:47
    Após sua ressurreição, Jesus Cristo comissionou seus discípulos a darem continuidade em sua missão terrena de pregar o evangelho e levar aos cativos de satanás a oportunidade de serem libertos mediante a fé nele e na confissão de seus delitos e pecados. Dali em diante foi formada as bases da igreja primitiva e por mais de vinte séculos ela veio superando todos os obstáculos e perseguições até chegar ao nosso tempo, porém sem a mesma pureza e santidade do início. Nesta obra, o autor procura enfatizar ao leitor a imediata necessidade dos cristãos voltarem ao primeiro amor, perdido através do modernismo religioso destes últimos dias, onde impera a apostasia da fé num Deus vivo e verdadeiro.
    Após sua ressurreição, Jesus Cristo comissionou seus discípulos a darem continuidade em sua missão terrena de pregar o evangelho e levar aos cativos de satanás a oportunidade de serem libertos mediante a fé nele e na confissão de seus delitos e pecados. Dali em diante foi formada as bases da igreja primitiva e por mais de vinte séculos ela veio superando todos os obstáculos e perseguições até chegar ao nosso tempo, porém sem a mesma pureza e santidade do início. Nesta obra, o autor procura enfatizar ao leitor a imediata necessidade dos cristãos voltarem ao primeiro amor, perdido através do modernismo religioso destes últimos dias, onde impera a apostasia da fé num Deus vivo e verdadeiro.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 21:43
    O homossexualismo é considerado pelas Escrituras Sagradas a maior maldição que já foi derramada sobre a humanidade pelo próprio Criador, pelo fato desta não concordar em reconhecê-lo como Deus e Senhor. Nesta obra o autor faz um importante comentário sobre este tema e busca orientar líderes religiosos e a igreja em geral sobre como se relacionar com tais indivíduos que em muitos casos estão presentes na comunidade cristã, conduzindo-os a uma verdadeira conversão ao evangelho, afim de que ocorra a salvação e libertação da alma que satanás mantém acorrentada pelo pecado.
    O homossexualismo é considerado pelas Escrituras Sagradas a maior maldição que já foi derramada sobre a humanidade pelo próprio Criador, pelo fato desta não concordar em reconhecê-lo como Deus e Senhor. Nesta obra o autor faz um importante comentário sobre este tema e busca orientar líderes religiosos e a igreja em geral sobre como se relacionar com tais indivíduos que em muitos casos estão presentes na comunidade cristã, conduzindo-os a uma verdadeira conversão ao evangelho, afim de que ocorra a salvação e libertação da alma que satanás mantém acorrentada pelo pecado.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 21:19
    A vida humana é uma história real escrita pelo destino, que na maioria das vezes mostra-se imensamente cruel com seus personagens. LOUCURA nos fala do drama vivido por um homem que nasceu ás margens do rio amazonas, filho de um pescador conformado com sua existência medíocre, que desde sua infância sonhou ir morar na cidade grande e lá se tornar alguém muito rico e importante na sociedade. De fato ele consegue realizar seus planos, mas não sem antes pagar por isso um alto preço.
    A vida humana é uma história real escrita pelo destino, que na maioria das vezes mostra-se imensamente cruel com seus personagens. LOUCURA nos fala do drama vivido por um homem que nasceu ás margens do rio amazonas, filho de um pescador conformado com sua existência medíocre, que desde sua infância sonhou ir morar na cidade grande e lá se tornar alguém muito rico e importante na sociedade. De fato ele consegue realizar seus planos, mas não sem antes pagar por isso um alto preço.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 19:52
    A hipocrisia é para Deus a mais abominável condição moral do ser humano e foi fortemente combatida por Jesus Cristo durante seu ministério terreno ao confrontar-se com os religiosos de sua época:
    A hipocrisia é para Deus a mais abominável condição moral do ser humano e foi fortemente combatida por Jesus Cristo durante seu ministério terreno ao confrontar-se com os religiosos de sua época: "Além da Escuridão" narra a história de um pastor evangélico que após alcançar grande prestígio como líder cristã torna-se vítima de perseguições por parte dos falsos cristãos de sua igreja e termina perdendo seu ambicionado ministério, é expulso do convívio na comunidade evangélica. Criticado, humilhado, abandonado pela esposa e a filha mais nova, encontra-se jogado na sarjeta das ruas por onde antes pregava a salvação e o Evangelho, transformado num alcoólatra e na companhia de delinquentes, até que Deus novamente dele se lembra e o levanta de entre as cinzas para honrá-lo e colocá-lo em posição acima de seus inimigos. Leia:
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 19:48
    Muitos cristãos tem se perguntado as razões de quase nunca terem suas orações atendidas por Deus, o que lhes enfraquece a fé e na maioria das vezes lhes faz desistir da comunhão com os demais irmãos no templo. Nesta obra, escrita à luz das Escrituras Sagradas, o autor procura explicar de forma clara e simples o real motivo do silêncio divino diante da igreja neste século onde impera a apostasia e o relativismo religioso.
    Muitos cristãos tem se perguntado as razões de quase nunca terem suas orações atendidas por Deus, o que lhes enfraquece a fé e na maioria das vezes lhes faz desistir da comunhão com os demais irmãos no templo. Nesta obra, escrita à luz das Escrituras Sagradas, o autor procura explicar de forma clara e simples o real motivo do silêncio divino diante da igreja neste século onde impera a apostasia e o relativismo religioso.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 19:30
    VINGANÇA é a história de uma mulher que desde a infância vive sob a intolerância e o abandono. Ainda na adolescência comete um homicídio ao tentar livrar da morte aquela que a adotou e torna-se uma fugitiva, é traída e vendida a um poderoso Coronel e transformada numa escrava sexual. Depois de muitas perseguições, torturas e humilhações, com a morte de bons amigos que tentaram livrá-la daquela existência repleta de sofrimentos, ela finalmente conhece aquele que lhe oferece a liberdade e o verdadeiro amor.
    VINGANÇA é a história de uma mulher que desde a infância vive sob a intolerância e o abandono. Ainda na adolescência comete um homicídio ao tentar livrar da morte aquela que a adotou e torna-se uma fugitiva, é traída e vendida a um poderoso Coronel e transformada numa escrava sexual. Depois de muitas perseguições, torturas e humilhações, com a morte de bons amigos que tentaram livrá-la daquela existência repleta de sofrimentos, ela finalmente conhece aquele que lhe oferece a liberdade e o verdadeiro amor.
    0 Gosto 0 Comentários
  • Abdenal Carvalho
    Abdenal Carvalho
    18 de Março de 2019 às 18:07
    Como o leitor vê o homossexualismo, uma condição moral natural da vida humana ou algo a ser combatido a qualquer preço? Na sua opinião a homossexualidade é uma deformação genética como afirma a ciência ou uma maldição espiritual como ensinam as Escrituras Sagradas? Como seu meio social e religioso encara a relação íntima entre pessoas do mesmo sexo, apoiam ou condenam? Independentemente da sua opinião diante deste tema é imprescindível que leia esta história, ela irá lhe fazer refletir sobre um dos conceitos mais polêmicos dos últimos tempos
    Como o leitor vê o homossexualismo, uma condição moral natural da vida humana ou algo a ser combatido a qualquer preço? Na sua opinião a homossexualidade é uma deformação genética como afirma a ciência ou uma maldição espiritual como ensinam as Escrituras Sagradas? Como seu meio social e religioso encara a relação íntima entre pessoas do mesmo sexo, apoiam ou condenam? Independentemente da sua opinião diante deste tema é imprescindível que leia esta história, ela irá lhe fazer refletir sobre um dos conceitos mais polêmicos dos últimos tempos
    0 Gosto 0 Comentários
  • Elane Ferreira de Souza
    Elane Ferreira de Souza
    10 de Janeiro de 2019 às 17:39
    Conheça nosso novo e-book publicado aqui na BUBOK - um pouco de Psicologia, Psicoterapia e Direito para você! Nesta plataforma nomeamos de Depredadores emocionais ou Tóxicos narcisistas. Espero que gostem! Desde já obrigada por passarem por aqui! https://www.bubok.pt/livros/11759/Depredadores-Emocionais-ou-Toxicos-Narcisistas A autora Elane F. Souza
    1 Gosto 0 Comentários
  • João Batista de Lacerda jblacerda
    João Batista de Lacerda jblacerda
    9 de Janeiro de 2019 às 0:13
    Ao invés de dizer um monte de coisas; prefiro que vocês, autores, leitores e equipe técnica da Editora Bubok vejam o meu vídeo-entrevista e façam comentários e resenhas. Título: O HOMEM DE DEUS. Subtítulo: ELE VEIO MUDAR O MUNDO (pessoas). “É um livro não somente destinado ao idioma português, mas sim, destinado a todos os idiomas e nações.”
    0 Gosto 0 Comentários
  • Elane Ferreira de Souza
    Elane Ferreira de Souza
    7 de Novembro de 2018 às 19:18
    "Brasil - ame ou deixe"! Frase 'comum' (mas de sentido pejorativo) em tempos de ditadura no Brasil, volta a circular; no entanto, passa pelo crivo judicial e é proibida! Porque fizeram isso? Resposta: Naquele tempo a frase significava: ame o Brasil da forma como ele se apresenta ou será expulso!
    0 Gosto 0 Comentários
  • Olga Pastor Alvarado
    Olga Pastor Alvarado
    2 de Outubro de 2018 às 14:12
    Sofia Shake venceu o prémio da Bubok Portugal.
    2 Gosto 0 Comentários
  • Olga Pastor Alvarado
    Olga Pastor Alvarado
    20 de Setembro de 2018 às 15:15
    Olá! Algum autor da Bubok PT por Lisboa em Novembro?
    0 Gosto 0 Comentários


Quer informação sobre como publicar a sua obra? Indique-nos o seu telefone e ligamos-lhe sem qualquer compromisso.

Inserir o nome

Inserir o telefone

Inserir o E-mail

Inserir um e-mail válido.

Escolha o estado do manuscrito.

Obrigado por contactar com a Bubok, a sua mensagem foi enviada com sucesso. Um responsável do nosso departamento de apoio ao cliente entrará em contacto consigo com a maior brevidade possível.
Enviar