Procurar na Bubok

Aguinaldo Albuquerque de Carvalho



BIOGRAFIA de Aguinaldo A. Carvalho

Nome: Aguinaldo Albuquerque de Carvalho, nasci a 10/07/1951 no Concelho de Manteigas ? Distrito da Guarda ? Portugal; vivo em Coimbra, constitui família e sou pai de duas filhas.

EMIGRAÇÕES E IMIGRAÇÕES: com dezassete meses de idade fui com os meus pais para Cabinda ? Angola em 1952; regressei com eles a Manteigas em 1958, onde estive até 1968; depois da Escola Primária comecei a trabalhar em 1964; em l968 fui trabalhar para Coimbra, onde vivo até hoje; quando vim para Coimbra, comecei a estudar no ensino nocturno na Escola Técnica Avelar Brotero em Coimbra; passado um ano entrei na Corporação dos Bombeiros Voluntários de Coimbra, onde fui bombeiro voluntário durante alguns anos; em 1972 ingressei no serviço obrigatório do Exército e em Janeiro de 1973, fui mobilizado para a guerra em Angola, ex-província portuguesa com a especialidade de atirador com a patente militar de furriel miliciano (sargento); em Fevereiro de 1975 terminei a minha comissão de serviço e vida militar e regressei a Coimbra; reiniciei a minha actividade laboral e estudo nocturno; terminei o curso técnico em 1978; progredi na minha carreira profissional até aonde era possível e reformei-me em 2002; continuo a morar em Coimbra.

Experiência paranormais: a primeira experiência foi aos sete anos (fim de Setembro de 1958) foi um fenómeno poltergeyst: meu irmão com 13 anos morreu de acidente no início de Agosto de 1958, foi um choque enorme para os meus pais e choraram demais por ele, ficaram num estado lastimável e fui acolhido numa casa de amigos deles, onde começaram a ocorrer fenómenos poltergeyst, portas e janelas a bater intempestivamente, objectos da casa pelo ar, etc.; os nossos amigos perante estes fenómenos inexplicáveis, chamaram uma médium e nela incorporou o espírito do meu irmão, exigiu a presença dos meus pais, que muito renitentemente anuiram ir; ele lhes disse para paragem a choradeira por ele e o deixarem partir em paz, porque estava a sofrer muito; concordaram e a partir desse momento pararam os fenómenos.

A segunda experiência ocorreu em Agosto de 1973 em Luanda ? Angola, onde estava de férias da minha vida militar; pelas vinte horas, estava a visitar a feira internacional de Luanda e senti dores muitos agudas na zona do plexo solar, dirigi-me a um posto de socorros na feira, sentei-me numa cadeira, disse que era militar e estava a sentir-me mal e de imediato desmaiei; logo de seguida vi o meu corpo na cadeira desmaiado, vi a deslocarem-me numa ambulância para o Hospital e acompanhei o corpo e ouvi os comentários de todos sobre o meu estado; tudo aquilo me pareceu surreal, mas sentia-me muito bem e totalmente livre, nunca vi? nem ouvi tão bem e me senti tão vivo; não havia quaisquer obstáculos que obstruissem os meus sentidos, estava em todo o lado ao mesmo tempo e sentia-me ligado a todos de igual modo; o meu corpo estava em coma e os médicos e enfermeiros faziam conjecturas do que me poderia ter acontecido e de imediato fizeram todos os exames possíveis; neste lapso de tempo observei com pormenor o meu corpo e não gostei do que vi e cheirei, era uma massa informe e nauseabunda e pensei naturalmente que o corpo tinha perecido; entretanto os médicos lutavam para me recuperar, passado, mais ou menos cinco horas e como me sentia muito bem e o corpo, mesmo bem afastado dele, nauseava cada vez mais, pensei em não regressar a ele e seguir o meu caminho, mas uma voz soou na minha mente e me disse que ainda não era chegado o meu tempo e ia regressar ao corpo; e regressei, mas foi traumatico o regresso, até me adaptar àquela massa informe e nauseabunda levou horas; contei aos médicos e enfermeiros tudo o que me tinham feito e dito e ao pormenor, exames, medicamentos, e até algumas tropelias que os enfermeiros militares me tinham feito, e questionei-os sobre o fenómeno; eles confirmaram que tudo o que eu disse era verdade, mas era impossível eu saber, porque estava em coma e a maior parte do que foi dito e feito foi longe do meu corpo, noutras salas do Hospital e não tinham explicação para o fenómeno que me aconteceu. Com esta experiência marcante, comecei a procurar respostas, pesquisei muitas obras e constatei que já tinha acontecido isso com muitas outras pessoas e que ao fenómeno lhe chamaram experiência de quase morte (E.Q.M). Com o passar dos anos tive outras experiêcias que me estimularam mais ainda, no conhecimento do para-normal e na transmissão desses conhecimentos a todos, de viva voz e interação de experiências e por livros que agora comecei a editar.? ?

CONCLUSÃO

Pela física quântica sabemos e há dezenas de anos, que: a parte está no todo e o todo está em cada parte ? um tipo de unidade-na-diversidade e de diversidade na unidade. (Wilber, Ken, Ed. The Holographic Paradigni. New Science Library; Boulder, Co. 1982, p. 2.) o ponto primordial é simplesmente isto: a parte tem acesso ao todo; Em 1929, Alfred North Whitehead, um conhecido matemático e filósofo, descreveu a natureza como uma grande e crescente série de acontecimentos ligados entre si. "Esses acontecimentos, disse ele, não terminam com a percepção. Dualismo como mente/matéria são falsos. A realidade é abrangente e está interligada." O que Whitehead queria dizer é que todas as coisas estão relacionadas com tudo o mais, incluindo os nossos sentidos. Usamos os nossos sentidos para obter informações a respeito de determinada situação. Os nossos sentidos influenciam a situação que percebemos? SCHEMES (2007), no artigo ?Pedagogia Quântica??diz: ?Se, por meio da observação instrumental, o ser humano é capaz de influenciar a realidade do microcosmo das partículas subatômicas, também seria possível alterar nossa realidade por meio do pensamento positivo?

Como atrás é dito pela ciência, sabemos que mesmo aqui na nossa grande ilusão o todo está na parte e esta tem acesso ao todo (um tipo de unidade-na-diversidade e de diversidade na unidade); esta constatação científica nos indica claramente que até aqui no nosso universo virtual (holográfico) há interconectividade das partes e, com o todo e este com elas (inconsciente colectivo), mas não temos essa percepção; não proclama a unidade perfeita, nem pode, aqui é impossível, mas a constatação que embora dividida há ligação, mantendo portanto a diversidade-na-unidade e vice-versa, a realidade do ego, a dualidade com aparência de unidade, o oposto da Unidade Perfeita, mas já é uma grande ajuda e avanço no conhecimento e da aceitação de quem somos. Desde a minha segunda experiência paranormal - Agosto de l973 - jamais me senti só ou abandonado, apesar de todas as vicissitudes que passei e de algum modo me sentia e sinto ligado a tudo e a todos; comecei a observar mais e melhor todos e tudo, e fui-me vendo a mim mesmo, cada vez mais neles e comecei a pôr de lado os especialismos da minha mente equivocada: amores, ódios, amigos, patriotas, etc., etc. e verifiquei e verifico que os meus pensamentos nunca são neutros, produzem sempre efeitos?

Coimbra, 02 de Fevereiro de 2012.

Aguinaldo Albuquerque Carvalho

Coimbra??? ?



Outros livros que lhe podem interessar

A livraria Bubok possui mais de 70.000 títulos publicados. Ainda não encontrou o seu? Apresentamos-lhe algumas leituras recomendadas baseando-nos nas opiniões dos leitores que compraram este livro. Não é o que procurava? Descubra toda a nossa selecção na livraria: ebooks, publicações em papel, de
download gratuito, de temáticas especializadas... Felizes leituras!

A Bubok é uma editora que oferece a qualquer autor as ferramentas e serviços necessários para editar as suas obras, publicá-las e vendê-las em mais de sete países, tanto em formato digital como em papel, com tiragens desde um exemplar. Os acordos da Bubok permitem vender este catálogo em centenas de plataformas digitais e livrarias físicas.
Se quer descobrir as possibilidades de edição e publicação para o seu livro, entre em contacto connosco através deste formulário e começamos a trabalhar com o seu projecto.