Procurar na Bubok

Douro e Duríades

Impostos e envio não incluídos
  • Autor: Robert Manners Moura
  • Estado: Público
  • Nº de páginas: 679
  • Tamanho: 150x210
  • Miolo: Preto e branco
  • Paginação: Colado
  • Acabamento da capa: Brilho
  • Downloads: 375
  • Livros vendidos: 170
Ver ficha técnica completa

Este livro é o romance do Douro, principalmente do Alto Douro, e das suas gentes, perpassando pelas suas páginas não só o testemunho de uma paisagem e de algumas épocas como uma galeria de personagens, reais e imaginárias, de grande riqueza.

Várias famílias e personagens, de diversas origens e em diferentes épocas, convergiram para o Alto Douro. Destas, algumas fixaram-se em Bagaúste, ou, antes, nos seus «bastidores», pois atrás da pequena e modesta estação de caminhos-de-ferro de outrora, edificada na encosta do contraforte da grande barragem que foi construída posteriormente, oculta-se um «covão» fisiográfico, difícil de detectar por quem viaja pelo vale abrupto que contém o Rio Douro e que é, simultaneamente, um canal de comunicação para quem viaja por estrada, pelo caminho-de-ferro ou por barco, entre a Régua e o Pinhão ou vice-versa.

Esta fisiografia especial é quase um «ninho», preenchido por duas quintas Durienses, chamadas neste romance de Quinta do Vale Torto e de Quinta dos Zambujeiros. É aqui que se desenvolve a saga de uma família multinacional, num enredo que começa com as origens da família, romanescamente ligadas a várias figuras históricas.

Entre a vida quotidiana de uma quinta Duriense típica, começam os mistérios e as tentativas de os resolver: será que o ouro do Brasileiro é um mito ou uma realidade? Porque existe a Cova da Pequena Estrela, no mais improvável dos lugares? Quem a fez ou o que a fez? Quem construiu a Torre de Abades? É ela um antro de espectros ou, antes, uma «janela» para tentar perceber o próximo e o longínquo? Pertenceu a Quinta dos Zambujeiros ao célebre Barão de Forrester? Estariam as cartas descobertas na quinta relacionadas com o Barão? Está a família ligada aos Távoras e à sua história pombalina de infortúnio e mistério?

Que o Alto Douro tem a contar em termos da política, pretérita e presente, e qual a sua hipotética participação na «Revolução dos Cravos», depois de um passado de actos clandestinos, aquando da Guerra Civil de Espanha? Terá o Douro e o Alto Douro soluções para os problemas agrícolas, ambientais, económicos e tecnológicos, numa época de transição para uma globalização imparável e concorrencial, numa Europa em transes de união?

Por que razão Abel José, a personagem que é o fio unificador da trama deste romance, se apaixonou por Erica, a menina de cabelos rubros que a II Guerra Mundial trouxe da Áustria? Por que motivo uma passada paixão de praia veio complicar este romance?

Conseguirá resposta para as suas interrogações telúricas, cósmicas, filosóficas e até religiosas?

...[ler mais]
Não existem comentários sobre este livro Registe-se para comentar este livro